sexta-feira, janeiro 23, 2015

Os dias que passam

Desde que tenho estado sozinho, há cerca de 8 meses, envolvi-me fisicamente com três mulheres. Todas elas me apanharam vulnerável e eu acabei por ceder. Não procurei ninguém mas as coisas aconteceram. Como já aqui disse antes, tenho muita dificuldade em dizer não.

E nos três casos eu sabia, à partida, que não existia nada mais do que atracção física e que portanto, seriam todos casos passageiros. Passageiros até que o “não” chegasse e saísse.
   
O que nos três casos é curioso e para mim, surpreendente, é que, quando se começaram a aperceber do não eminente, todas me propuseram uma relação apenas física, sem compromissos morais nem temporais. Uma amizade colorida.

E o mais surpreendente para mim, é que como homem, sempre me considerei muito melhor como companhia do que como amante. Será que tenho estado enganado todo este tempo?

Mas o facto é que, em nenhum dos casos, assim que voltei a mim, quando percebi que era uma relação sem futuro, acabei por recusar diplomaticamente as propostas e terminar com os casos ocasionais. E porquê, se um aconchego de vez em quando sabe tão bem?


Porque não ando à procura de sexo pelo sexo. Quero mais, quero muito mais. Quero companhia, quero cumplicidade, quero paixão, quero sentir falta, quero amar. E quando o dia chegar, quero estar atento para encontrar e livre para me entregar, em pleno.

3 comentários:

  1. Para ser bem sincera é raro que uma mulher não se apegue a esse tal 'amante'. Em um momento de solitude da minha vida, tive um amigo desses, e foi ótimo. Não deu tempo de me apegar. E acho que na posição que estávamos, isso não aconteceria. Mas ele me falava de outras amigas que acabaram por confundir essa situação...

    Mesmo assim, acho ótima a sua posição de estar livre e ATENTO para se entregar completamente. De fato, é esse o segredo (opinião minha!).

    Um beijo

    ResponderEliminar
  2. Enquanto ela não aparece, vá aprendendo a ser só, ;)

    ResponderEliminar

]...[

A forma descontraída como partilhas comigo a tua intimidade é excitantemente desconcertante.