quarta-feira, maio 28, 2008

Post comprido e chato, apenas para contar as novidades e fechar o ciclo

É verdade que depois de tanto alarido, neste blog, com os meus planos para aprender clarinete, depois de começar nunca mais falei nisso. Acho que ainda falei uma vez a propósito das lambidelas das palhetas do dito instrumento e da partilha do mesmo entre mim e o professor.

Assim sendo, e porque hoje é o dia da minha 3ª audição, aqui vão as novidades. A aprendizagem tem sido lenta, mesmo apesar de já ter instrumento. Uma aula por semana, a meias com um teenager, também não dá para muito mais. Treino todos os dias em casa mas o tempo que me sobra não dá para muito, até porque as horas a que posso tocar estão limitadas pelo respeito que tenho pelos meus vizinhos. Percebo que não sou nenhum fora de série, nem em termos musicais (ouvido, ritmo, formação musical, etc) nem em termos de técnica com o instrumento, mas também não serei mau de todo. Cumpro os exercícios, se calhar mais devagar do que seria espectável, mas cumpro. Por enquanto o prazer que tiro é muito pouco. Os exercícios são chatos e repetitivos, as musiquitas que toco são muito simples e “secas”, mas é natural que seja assim. A fase de aprendizagem é sempre muito chata. O professor diz que vai demorar dois anos para aprender de facto. Vamos ver se chego lá…

Como disse hoje é o dia da 3ª audição que é nem mais nem menos que a actuação de diversos alunos da escola, perante uma sala cheia de paizinhos e avós babados a verem os seus superdotados filhos e netos. E no meio do espectáculo lá apareço eu, mais velho que o mais velho dos professores a interpretar duas musiquitas no meu clarinete. Se da primeira vez estava em estado de choque, na segunda estava só em choque. Espero que hoje, na 3ª, esteja mais calmo. Pelo menos já não causo aquele impacto na plateia que causei da 1ª vez. Na verdade preferia nem participar neste tipo de coisas, mas acontece que a pressão das actuações são um grande impulso na evolução e por isso o meu sacrifício. Mas que fico muito angustiado nestes dias fico. É que nem consigo escrever nada com piada.

Mas para melhorar o astral, posso dizer que na última aula iniciámos o ensaio do espectáculo de fim de ano, (esse sim em grande escala) e onde vamos actuar em quarteto, com o prof e mais um aluno de uma classe avançada. Vamos tocar o “Yesterday” dos Beatles e pelo que já ensaiamos, ainda só a três, foi muito giro. Pela primeira vez tirei realmente prazer de estar a tocar clarinete. A música é muito bonita e o arranjo para os 4 clarinetes está muito bem conseguido. Quando estamos a tocar todos juntos até posso fechar os olhos. Não preciso da pauta, toco ouvindo os outros. Estou ansioso por iniciar os ensaios a sério. Por agora e pelo menos até logo á noite tenho de me concentrar nas minhas musiquinhas parvas.

terça-feira, maio 27, 2008

Ora então aqui está



Estava eu em mais um magnífico concerto da orquestra da esart, quando me lembrei da mais extraordinária e original fantasia sexual.

Toda a gente sabe que toda a mulher tem fantasias com equipas inteiras de futebol. Bem, pelo menos nós homens, gostamos de pensar que sim. Já é alguma coisa. E claro, no mesmo sentido, nenhum homem poder ter melhor fantasia do que, a de partilhar o balneário com a selecção feminina de volei do Brasil, de Cuba, ou até mesmo, para os mais originais, com a selecção da China. Agora que penso nisso… Sete chinesas titulares mais 7 chinesas suplentes… É isso, não é? Puuuuuuuxa!

Mas continuando. Estava eu em pleno concerto, embalado pela sonoridade desse compositor romântico que é A. Bruckner, quando me deixei seduzir pelas jovens intérpretes da orquestra, grande parte delas, vestidas com magníficos vestidos negros, alguns muito sensuais, tanto quanto as moças que os usavam. Aquelas que levam tão a sério a música como a estética que a mesma pode ter, levaram-me por caminhos inimagináveis para quem está num concerto daquele género. Recordo que era uma Orquestra Clássica, não era a Shakira a dar ao rabo. Depois da minha fantasia na cadeira da minha dentista brasileira, acho que esta podia ter sido a mais estranha. E só não foi porque, na indecisão sobre, onde enquadrar os instrumentos musicais, toda a fantasia se desvaneceu e eu voltei ao meu mundo.

segunda-feira, maio 26, 2008

Classificados - Rosa

Que tal? São bons, não são? Dedico a todas as mulheres do Mundo. Rosas e não Rosas. Incluindo as estrelas. Estrelas da Tarde.

Ficam por aqui enquanto eu arranjo tempo para descrever a minha mais recente e extraordinária fantasia sexual. :)

sexta-feira, maio 23, 2008

O meu amigo Almada

Na minha vida tenho perdido amigos por uma e outra razão. Às vezes sou eu que os perco, outras perdem-me a mim. Alguns quase nem noto, outros lamento e um ou dois lamento imenso…

Há momentos que nunca se esquecem


Imaginem uma manhã quente de verão. Eu era ainda estudante e depois de uma directa, indo a caminho da paragem do autocarro que ia para a escola, tive um encontro de um grau, que não sei classificar. Um encontro que até hoje não me saiu da cabeça. Desconcertante.

Encontro então, nesse meu percurso, uma estranha moça, namorada de um não menos estranho colega. Eu sabia que ela simpatizava bastante comigo, aliás como simpatizava com mais uns quantos colegas que por lá andavam na escola.

Ainda há poucas horas estávamos na discoteca da cidade e eu vinha ainda um pouco atordoado pelo barulho das luzes e pelo resto que normalmente, atordoa neste tipo de locais.

Ela, desconcertante na forma, na hora e no local, agarra nas minhas partes baixas e diz-me algo sobre o que me faria, ali mesmo, à frente de todos. Aquilo era um convite e eu não estava em condições de recusar. Tinha 20 aninhos, não tinha namorada e nessas idades tudo vale. Acontece que ao mesmo tempo era já um rapazinho responsável. Ia ter uma aula de inglês (às 8 da manhã, imagine-se!!!) e já estava completamente “tapado” de faltas. Não estava nos meus planos abandonar uma cadeira por faltas nem praticar qualquer tipo de encenação para, mais tarde me desculpar perante a simpática professora, de forma a tirar-me a falta, embora esta fosse uma prática bastante frequente na nossa escola.

A mocita tinha uma lojinha num centro comercial despovoado e eu combinei então ir ter com ela às 10:30 logo a seguir à aula. Passei a aula de inglês em pulgas, claro está! Sono, qual sono? Nunca tinha estado tão desperto numa aula como aquela. Não faço ideia do que por lá se aprendeu, mas eu estava lá. Presente e acordado. Aos pulos.

Mal acabou a aula lá fui então no autocarro em direcção à cidade.

O problema é que ao meu lado se sentou uma amiga minha que vivia mesmo ao meu lado. Fiquei numa enrascada. Se eu era vizinho dela como justificar a minha saída do autocarro antecipada. Inventei uma compra mas ela quis me acompanhar. Gaguejei, acabei por dizer que não era nada de importante e tive que desistir.

Planos furados… Demorei a desacelerar… acho que ainda nem o fiz completamente. Ficou-me atravessada a moça. Teria sido importante para mim essa experiência, disso não tenho dúvidas, só não sei em que sentido, se por má ou boa influência. É que eu fico dependente de tudo muito facilmente e de moças então nem se fala.

Acabei a beber um chá com a minha amiguinha tentando convencer-me a mim próprio, que se o destino a tinha colocado ali no meu caminho, era porque seria o melhor para mim… Mas ainda hoje tenho algumas dúvidas.

quarta-feira, maio 21, 2008

Bom Feriado


Eu ando cá, mas não tenho muito para dizer. Talvez seja do tempo...
E agora reparo. Este blog fez dois anos a 30 de Abril e eu nem tinha dado conta. Mas também, o que é que isso interessa?

quarta-feira, maio 14, 2008

Primavera

Sinto-me a renascer. Tenho vontade de andar na quinta, já tenho as mãos gretadas da terra e do sacho, luto contra a erva que cresce desalmadamente onde não quero que cresça e anseio por dias de folga para ir para lá trabalhar. A Primavera é assim. São assim todas as Primaveras, mas nesta o significado de renascer é diferente. Desta vez não é só a natureza que renasce. Eu também estou a renascer e a aprender a viver uma vida diferente, e a fazer tudo para que não seja menos proveitosa.

sexta-feira, maio 09, 2008

Este é o Segredo

Hoje fui fazer uma coisa que gosto mesmo. Fui a um viveiro para comprar árvores. Luto comigo próprio para não encher a mala do Kangoo de todo o tipo de árvores. E se hoje me controlo melhor é porque abrir covas cansa e porque proteger das ovelhas e colocar o equipamento de rega custa algum dinheirito. Assim comprei apenas três para substituir outras tantas que não vingaram entre as cerca de 30 que plantei o ano passado.

Desta vez comprei duas Grevíleas (Grevillea robusta) e um Freixo (Fraximus ornus). A Grevílea é uma árvore de porte médio/grande, de forma cónica, de folhagem perene e que dá, por esta altura do ano, uma flor muito curiosa e bonita, até exótica. O Freixo é uma árvore muito comum em Portugal, principalmente junto a cursos de água e estava por isso, em falta na quinta.


Ficaram nesta caixinha, numa zona sombria, à espera de Domingo, para, um pouco já fora de tempo, serem plantadas. É o meu vício.

E se volta e meia encho os meus pensamentos e sonhos com negócios extraordinários, desta vez ando entusiasmado com o negócio das plantas e árvores. A minha Mãe dizia que esta mania dos negócios era de família. O Bisavô A. teria tido os mais variados e extraordinários planos, alguns dos quais chegou mesmo a concretizar, pelo menos a iniciá-los. E se ele planeou coelhos e galinhas eu já andei pelas Avestruzes e GPS’s. Duas avestruzes dão 6 avestruzes por ano, que no ano a seguir dão 24 e por aí fora…. Era um grande negócio. :)

Nesse sentido, a minha compra de hoje, foi mais um acto de espionagem comercial do que uma compra de produtos, de facto. Não fosse ser este viveiro do Estado e teria perguntado o preço do viveiro todo. É um local idílico. Uma zona abrigada, fresca e húmida. Som de mil pássaros e árvores, muitas árvores. Curiosamente todo este espaço do viveiro e parque florestal (uma espécie de jardim botânico) está implantado por cima da antiga lixeira da cidade. Um bom exemplo.

Por isso, encho agora os meus pensamentos de planos. Escolho locais, penso em possíveis sócios, desenho esquemas… e quando estou farto do meu emprego, chateado com os chefes, ou com o pessoal da rega, descontraio, pensando que só ali estou enquanto quero e que, um dia, mando tudo às malvas e dedico-me ao meu negociozito. Por agora vou continuar a fazer espionagem. Felizmente para o negócio, não tenho muito aonde ir aqui na região, o que é, à partida, um bom indicador.

quinta-feira, maio 08, 2008

Atenção!


Fala-vos a voz da experiência experimentada.

Se estão a pensar tirar o novo cartão do cidadão e têm um mínimo de vaidade (não é preciso muita), peguem na vossa pior webcam e treinem uma boa pose, um olhar penetrante e compenetrado, o que acharem melhor, mas treinem. É que lá chegados, podem não ter a sorte de ter 3 oportunidades, como eu tive. E digo-vos, mesmo à terceira, não pedi mais nenhuma por vergonha. Foi um perfeito desastre.

Ainda hei-de saber de quem foi a ideia da fotografia do cartão ter que ser tirada no local. Deve ser alguém tão feio, tão pouco fotogénico que pensou: “Se eu não posso ter um cartão com uma linda foto, mais ninguém vai ter, ah, ah, ah, ah!” (gargalhada malévola).

quarta-feira, maio 07, 2008

"Estranhas visões" por Pastorinho das Águas Caídas

Ontem, cruzei-me com a Shakira, no meio de uma estrada para lugar nenhum, como são quase todas, as estradas desta terra. Conduzia um furgão parecido com o meu. E como quase todas as mulheres fingiu que não me viu, mas eu vi-a. E sei que ela me viu. Estranha forma esta, das mulheres nos olharem pelo canto do olho. Enquanto fui ainda mais ingénuo do que sou hoje, pensava que de facto não olhavam, mas hoje sei que olham e mais, reparam e comentam.
Desconfio que sei de onde apareceu e por isso ainda hoje vou à procura dela, afinal de contas não é todos os dias que uma estrela deste tamanho se cruza connosco. Só me falta um pretexto.

sexta-feira, maio 02, 2008

Só para fazer andar o blog...

Mais uma fotografia do magnífico autor deste blog, furando uma majestosa onda azul. Destemido, desafia tubarões e raias.
Enfim, eu mesmo, no meu melhor estilo!
Dentro de água, claro!

]...[

A forma descontraída como partilhas comigo a tua intimidade é excitantemente desconcertante.