terça-feira, setembro 06, 2016

Aquilo que escrevo

Muitas das coisas que aqui escrevo, não são verdades absolutas. Escrevo muitas coisas reais, sentimentos verdadeiros e vontades autênticas e escrevo muito sobre sonhos, fantasias e devaneios. Às vezes misturo tudo no mesmo espaço, ao mesmo tempo. No entanto, mesmo aquilo que é verdade e sentido pode reflectir a verdade e o sentimento de um momento e não ser uma verdade absoluta e permanente, um desejo duradouro e muito menos, uma completa certeza.

Aquilo que sou

Durante muito tempo quis ser diferente daquilo que era. Queria ser igual aos outros. E bem que tentei, mas para além de nunca o conseguir ser, também nunca, nessa altura, consegui ser feliz comigo mesmo. A única coisa que consegui foi, quase sempre, um sentimento de frustração e uma enorme infelicidade.

Até que um dia decidi que não me importaria com mais ninguém e que seria aquilo que teria de ser. Naturalmente eu. Sem filtros, sem máscaras.

Claro que não foi assim que fiquei igual aos outros, nem sequer parecido, mas fiquei eu próprio e isso deu-me uma tranquilidade imensa. Posso não ser totalmente feliz, mas não sofro com o sentimento de frustração de não conseguir ser aquilo que não sou.

Hoje em dia sei que me basto a mim mesmo. Não preciso da aprovação de ninguém para viver. É claro que todos ambicionamos alguma admiração, todos sofremos um pouco de vaidade e todos queremos que gostem de nós, mas acima de tudo é preciso gostarmos de nós próprios e eu gosto.


Quando alguém acha e me diz que eu tenho que mudar, por isto ou por aquilo, porque acham que é melhor para mim ou porque acham que é melhor para eles próprios eu respondo que estou bem assim como sou. E estou.

terça-feira, agosto 09, 2016

Outros tempos

Houve um tempo em que vivi a minha vida de acordo com a minha natureza. Um tempo em que fui uma só pessoa. Os meus sonhos, as minhas fantasias eram a minha realidade. 

Houve um tempo em que partilhei tudo isso com uma mulher e nesse mesmo tempo, essa mulher, partilhou também comigo aquilo que eram as suas fantasias e a sua realidade.

Ambos descomplexadamente,…. E foi tão bom!.... Tão libertador!

Foi um tempo em que uma mulher fez de mim um homem confiante, um homem capaz de conquistar este mundo e o outro.

Foi um tempo em que fui um homem realizado e feliz.

Outros tempos virão

quarta-feira, julho 27, 2016

Segredos


“À conversa, sem os maridos, e desatentas da hora do recolher obrigatório, Chabela e Marisa terão de pernoitar juntas. O que aconteceu na cama nessa noite passará a ser um grande e saboroso segredo.”
Cinco Esquinas, Mário Vargas Llosa

Esta pequena parte da sinopse do mais recente livro de Mário Vargas Llosa, foi suficiente para eu o comprar de imediato. Porque um prémio Nobel, não escreveria um romance erótico banal e porque existem ainda fantásticos mistérios, aos quais não consigo resistir, pelos sonhos, viagens e desejos, que continuam a deixar-me atordoado de ansiedade. Ansiedade boa.

quarta-feira, junho 15, 2016

Sonhos

Se já vamos longe nos nossos sonhos, imaginem até onde vamos nos sonhos dos outros.

sexta-feira, junho 03, 2016

Introvertido?

E eis que chegam as perguntas fatais, que todas as mulheres, mais tarde ou mais cedo me fazem:

- Mas o que se passa contigo? Está tudo bem?
- Já não gostas de mim? Porque é que estás assim?
- Foi alguma coisa que eu fiz ou disse?
- Porque não me dizes o que se passa?


Sou mesmo um “bicho do mato”,... completamente associal…

segunda-feira, maio 30, 2016

10 anos

Quando senti a necessidade de escrever num blogue, o Mundo era um sítio muito diferente.

Foi em Abril de 2006 numa altura em que os blogues estavam no auge. Não havia facebook , istagram nem qualquer outra rede social. Não havia smartphones nem net a toda a hora e em qualquer lugar. O Mundo andava por isso, um pouco mais devagar.

Mas se o Mundo era um lugar diferente nessa altura, a forma como eu o via, era incrivelmente distante do que é hoje e do que, na realidade, já era nessa altura. Como podia eu ser tão inocente, e viver tão fora da realidade?

E por estranho que possa parecer, foram os blogues que me começaram a abrir os olhos. Uma descoberta incrível para mim. Comecei por ler alguns, quase todos de mulheres. A ânsia de conhecer a alma feminina, de entrar na sua intimidade e a descobrir a sua essência, foi para mim viciante. 

Primeiro só lia, depois, cheio de coragem, comecei a comentar, sempre com nicks diferentes, até que senti a necessidade de também fazer parte daquele mundo. De interagir com as pessoas que lia e de ser reconhecido na blogosfera.

Foi então que escolhi um “alter ego”, criei um blogue (este mesmo) e parti à aventura. Sempre anónimo. Na altura não sabia se seria anónimo para sempre. Confesso que tive alturas em que tive vontade de me mostrar o blogue a uma ou outra pessoa, mas acabei sempre por resistir. Houve sim, pessoas que fui conhecendo através do blogue. Duas fisicamente, outras conheci nas redes sociais. Mas em nenhum desses casos me senti invadido ou intimidado. Continuei a ser o autor de blogue que sempre fui.

Mas se o blogue foi mudando foi porque eu próprio, fui também mudando, porque eu e o meu “alter ego” fomos ficando cada vez mais próximos.

Aquilo que eram dúvidas e incertezas foram se esclarecendo, aquilo que eram sonhos e fantasias foram tornando-se realidade. Eu cresci, fiquei menos ingénuo e apesar de não ter ficado menos tímido, fui deixando que se aproximassem de mim.

Assim o blogue, este mesmo blogue, já com dez anos, foi para mim, uma janela, uma porta para o mundo. E tenho a sensação que o foi também para muitas outras pessoas, que escreveram blogues, que comentaram ou que simplesmente os leram. No entanto, em muitos casos, parece que a magia dos blogues se perdeu. Ou porque deixaram de trazer algo de novo, ou porque este mundo virtual evoluiu de tal forma que os blogues ficaram definitivamente para trás.

Este meu blogue não é a excepção. É indesmentível, que a Nuvem, é  nestes dias, quase só um arquivo, mas mesmo assim vive. E faz parte de mim. Sinto por ele estima e carinho, quase como se de um amigo se tratasse. Não seria capaz de o apagar ou acabar com ele. Mesmo sem actualizações aqui ficará, até que alguém o feche por mim.

E, acima de tudo, não perco a esperança, de um dia voltar a ter um amigo assim. :)

quinta-feira, abril 21, 2016

And this is all in my head



"But she's touching his chest now
He takes off her dress, now, let me go
'Cause I just can't look, it's killing me
And taking control"

O melhor de dois mundos

Quem não quer?

E quando se pensa que já se teve o melhor desses dois mundos, já se sabe que existem, já se sabe como são, mas não os conseguimos nem podemos juntá-los num mundo só. Num mundo só para nós.

quarta-feira, março 09, 2016

quarta-feira, março 02, 2016

Você é a saudade que eu gosto de ter



Você foi o maior dos meus casos
De todos os abraços o que eu nunca esqueci
Você foi dos amores que eu tive
O mais complicado e o mais simples pra mim. 
Você foi o melhor dos meus erros
A mais estranha história que alguém já escreveu
E é por essas e outras que a minha saudade
Faz lembrar de tudo outra vez. 
Você foi a mentira sincera
Brincadeira mais séria que me aconteceu
Você foi o caso mais antigo
O amor mais amigo que me apareceu
Das lembranças que eu trago na vida
Você é a saudade que eu gosto de ter
Só assim sinto você bem perto de mim outra vez. 
Esqueci de tentar te esquecer
Resolvi te querer por querer
Decidi te lembrar quantas vezes eu tenha vontade
Sem nada perder. 
Você foi toda a felicidade
Você foi a maldade que só me fez bem
Você foi o melhor dos meus planos
E o pior dos enganos que eu pude fazer
Das lembranças que eu trago na vida
Você é a saudade que eu gosto de ter
Só assim sinto você bem perto de mim outra vez.

terça-feira, março 01, 2016

Perdido

Chego a casa, desfaço a mala, arrumo, lavo roupa, passo roupa e volto a fazer a mala.
Semana após semana, não limpo, não cuido, mal mudo os lençóis onde durmo a correr,…

Sinto-me cansado, não me sinto a viver,…
Preciso do meu espaço,..
Preciso do meu tempo,... 

quinta-feira, janeiro 21, 2016

Um dia terei a certeza

No verão passado aconteceu-me uma das melhores coisas que me podiam ter acontecido. Foi um cumprir de um sonho, ou melhor, de vários. Foi a realização de uma em várias fantasias.

Encoberta numa capa de normalidade, e até de algum pudor, estava, ali na praia, aquela que viria a ser a mulher mais reveladora que alguma vez eu conheci e que, nem sequer pensava já vir a conhecer, nesta minha vida pacata.

Foi de tal forma intenso e revelador, que apesar de tudo ter terminado há já quase dois meses, durante todo este tempo, fui incapaz de escrever qualquer coisa que fosse sobre o que se passou. Ainda não sei se serei capaz hoje.

Infelizmente, a vida é um caminho cheio de escolhas. Escolhas essas, que muitas vezes nos obrigam a tomar decisões entre dois opostos, simplesmente porque o meio-termo não existe ou não está ao nosso alcance. E neste meu caso, a parte íntima era fenomenal, mas apesar disso (e de outras coisas boas),infelizmente não me apaixonei. Faltou qualquer coisa. Talvez mais do que uma simples “coisa”.  Não sei.

De tal forma que, a certa altura, escolhi seguir um caminho sem ela. Sozinho. À procura da minha ansiada e arrebatadora paixão. Mas pouco tempo depois, ela escolheu vir atrás de mim, assumindo todos os riscos que pudessem advir de uma situação destas. Acho que confiava bastante nas suas qualidades e talvez nas minhas fragilidades. Mas apesar de continuar a ser muito bom, não era suficiente. E como eu costumo dizer, eu estava em modo “Still looking” e de repente apareceu uma outra mulher que me pareceu a “tal” e tudo terminou.

Tive sempre noção, que apesar da falta de paixão, aquela mulher nunca se afastaria da minha memória. As coisas incríveis que vivi nunca me abandonariam e provavelmente, muitas vezes, me iria arrepender de a ter deixado. De a ter trocado. De ter achado que haveria algo melhor que amor físico e que as nossas partilhas intimas. Ainda hoje não sei se fiz bem ou se fiz mal. Mas uma coisa é certa, já senti falta, já me arrependi e já deixei de me arrepender. Outra é quase certa. Um dia vou ter essa certeza, se escolhi ou não o caminho  certo.

quarta-feira, janeiro 13, 2016

Para sempre??

O que é,  como é,  o que significa "...e viveram felizes para sempre "?

terça-feira, janeiro 12, 2016

Ai, ai,... (suspiro)

Disse-me uma pessoa há uns tempos, que eu nunca pertenceria a mulher nenhuma. Que eu nunca me entregaria a uma relação estável. Na altura, esbocei um sorriso superior e pensei que ela estaria redondamente enganada. Apenas ainda não tinha encontrado a pessoa certa. Hoje, pouco tempo depois, e algumas pessoas "certas" depois, já dentro de uma outra relação, essa frase não me sai da cabeça. Começo a achar que se calhar ela tinha razão,…

segunda-feira, novembro 23, 2015

Vou comprar uma pequena floresta.


Vou comprar uma pequena floresta.  

Uma pequena floresta cheia de grandes sobreiros, grandes pedras de granito e vistas “largas”. 
Por baixo de um dos sobreiros, vou instalar uma destas casinhas de madeira, onde depois, na frente, ponho uma mesa de pic-nic.  Noutro sobreiro monto dois baloiços. Vou ter que ter um tanque para guardar água. Vai ser um bom sitio para, no verão, tomar uns belos banhos.  Planto mais árvores.  Sobreiros e outras árvores que dêem mais  cor e densidade à minha floresta. Vou construir um posto de vigia para lá do alto observar os pássaros e a bicharada que por lá andar. Mas pelo sim, pelo não, coloco lá uma cama de rede para o caso de nada se passar. 

Talvez compre uma moto 4 para passear pelas redondezas e para ir a sítios onde não vá o meu Clio.
  
E se ninguém aparecer eu não vou ficar triste, eu não me vou sentir sozinho,  porque ninguém está só numa floresta. Mesmo numa pequena floresta como a minha. 

quarta-feira, outubro 14, 2015


Sou engenheiro de formação e como tal, habituei-me a esquematizar tudo. Nos estudos, no trabalho e claro, na minha vida pessoal.

Eu tenho a teoria de que todos os homens e mulheres se posicionam numa linha que que vai da mulher muito feminina ao homem totalmente másculo. Não existem na minha lógica, apenas homens e mulheres. Existem homens mais masculinos e menos masculinos, assim como mulheres mais e menos femininas. E a linha onde essa gente toda se posiciona é contínua e não tem por isso uma separação clara, pelo que encontramos mulheres tendencialmente masculinas e homens com comportamentos femininos.

Acredito nesta teoria e aceito-a com muita naturalidade. Sei posicionar-me nessa linha e consigo também, posicionar as pessoas que vou conhecendo melhor.

Mas o que acho mais interessante é a quantidade imensa de possibilidades que existem, de diferentes tipos de relacionamentos e nas consequências destas características, nesses mesmos relacionamentos.

Se temos, por exemplo, um homem que está no meio da sua linha masculina e uma mulher no mesmo local da sua linha feminina, então teremos um casal normal. Pelo menos aparentemente. Até aqui tudo bem. O que eu ainda não descobri é, se uma mulher do extremo da feminilidade se dará bem com um homem do extremo oposto, ou se pelo contrário preferirá um homem que se situe mais perto da divisão entre homens e mulheres, ou se porventura não se poderá sentir até atraída por uma mulher masculina. Assim como não tenho a certeza se um homem feminino se interessa por um “super-macho” ou se interessará por outro homem feminino.

Baseado na minha experiência posso tentar dar um palpite. Não tenho nada mais do que a minha própria experiência de vida e o empirismo resultante de uma vida de observações, para me basear no que vou escrever, mas eu acho que existe nessa linha, um espaço mínimo e máximo para que uma relação resulte, isto é, um intervalo de tamanho constante que movendo-se sobre a linha origina em todos os casos relacionamentos com aptidão para resultarem bem. Todos os outros darão relacionamentos desequilibrados.

Pensem nisso se vos apetecer, e se quiserem dêem-me ​a vossa opinião.

P.S. Entretanto, enquanto procurava uma imagem para ilustrar este texto, dei de caras com este teste. O teste em si parece um bocado parvo, mas depois, no texto que revela os resultados aparece a tal linha de que falo.  http://galirows.com.br/teste1.php

Provocações

Pensei em ti e… dorme com os anjos :) Sonhos doces :) Beijo

Ontem, recebi esta mensagem no meu telemóvel. Quando a li e quando respondi, não achei nada de relevante na mensagem, apesar de me ter surpreendido por não ser costume. Mas um pouco depois, abri os olhos e voltei a lê-la. Não tinha reparado com atenção no “e…”. O que terá faltado escrever?

Podia ter perguntado, não era? Pois, mas não perguntei. Com esta moça nunca me meti e não quero meter-me. Tenho que resistir.


Mas o que terá faltado? Será aquilo que estou a pensar? 

sexta-feira, outubro 09, 2015

Saudades


Sinto saudades do blogue, do tempo em que escrevia quase por impulso, e da forma como isso me aliviava a alma.

A principal razão para o meu afastamento do blogue, confesso, é a porcaria do facebook, que cada vez mais é um antro de ódio e ofensa, e que me tem roubado tempo à vida e claro, ao blogue.

O facebook pode ser viciante e acho que para pessoas solitárias como eu, mais apelativo se torna. No entanto, não retiro dele mais prazer do que tirava com o blogue, ou tiro? Sim tiro algum prazer e às vezes algumas alegrias, mas será que o tempo que passo a olhar para aquilo compensa? 

De qualquer forma, esta minha nuvem é sempre o meu ponto de retorno. Disso tenho a certeza. Aqui, volto sempre, como quem volta sempre para o conforto e segurança de um lar, como quem volta para a companhia de um bom amigo.

quarta-feira, setembro 16, 2015

Puxa!!! É o mundo que está a mudar ou sou eu que só agora o estou a conhecer?

E nem a propósito. Numa festa neste último final de semana, uma mulher, casada com um empresário muito bem sucedido, e que eu conheço já dos tempos de estudante, depois de eu a ter cumprimentado disse-me mais ou menos o seguinte:

- Já vi que tens uma namorada nova. É pena. Podíamos-nos ter conhecido um pouco melhor. Ainda por cima acho que essa tua relação não vai durar...

E eu, percebendo onde ela queria chegar, respondi meio embasbacado: - Mas tu és casada...!

Mas ela desvalorizou o facto e insistiu no que tinha dito antes e foi-se embora, deixando-me a mim, estático e com cara de parvo.

Puxa!!! É o mundo que está a mudar ou sou eu que só agora o estou a conhecer?


quarta-feira, agosto 26, 2015

Desabafo

Existe um tipo de mulher que, me parece, que eu tenho uma boa propensão para atrair. São mulheres que nuca foram ricas, a não ser no período em que foram casadas. Agora separadas, já não se podem dar aos luxos a que se tinham habituado, no entanto, já têm bastantes dificuldades em viver sem eles.

Por alguma razão, sentem-se atraídas por mim. E não, eu não sou o homem que lhes pode garantir esses luxos, porque, para além de não ser rico (vivo razoavelmente, mas também não dá para grandes luxos, muito menos luxos para dois) também sou um bocado forreta. E essa forretisse deixa-me algo desconfortável numa relação, por causa daquilo que considero essencial e que considero apenas acessório.

Mas isto tudo para chegar a uma simples conclusão. Os homens ricos, trocam com alguma frequência de mulher. Já as mulheres na mesma situação, raramente abandonam os seus parceiros. São por isso raras, na forma disponível.  

Mas apesar de deixar essa ideia, não é o que eu quero. Eu não ando à procura de uma mulher rica. Nem sequer menos rica ou até pobre. Isso é indiferente se eu for capaz de a amar. O que eu não procuro, o que eu não quero, são mulheres que andam desesperadamente à procura de um estatuto que lhes fugiu debaixo dos pés. Comigo isso não vai resultar. 

Tenho dito!

O que na verdade conta

Já aqui escrevi, mais que uma vez, listas de características que considerava essenciais numa mulher, para mim. Tretas! Tudo tretas!

A única coisa que eu quero é ser capaz de me apaixonar, só isso. A única coisa que eu quero é amar. Nada mais, tudo o resto são tretas!


sexta-feira, julho 31, 2015

Estou com uma dúvida...

Ver  uma rapariga na praia, trocar alguns sorrisos, a propósito das travessuras que as crianças, que estavam com ela, faziam e no dia a seguir, meter conversa, é a mesma coisa que meter conversa no facebook? Se é, lá se foi a minha promessa…. :) 

Ai, ai,...

sexta-feira, julho 10, 2015

Férias!!!


Como o ano passado foi bom, este ano repito. Quase tudo igual, só mudo de instalações. Um pequeno up-grade. 

All by myself. :)

sexta-feira, julho 03, 2015

Promessa de bloguer II

Pois é,… A promessa ainda vale.

Não voltei a pedir amizade a desconhecidas nas "redes virtuais" e por alguma razão (talvez simples coincidência), também nenhuma rapariga desconhecida me voltou a pedir amizade também.

À minha volta têm andado duas ou três raparigas, a quem não tenho dado a mínima “bola”, mas que, apesar de tudo, continuam a insistir.

Portanto, tudo isto significa que tenho andado por aí, sozinho. Muito sozinho. Sentidamente sozinho.
A minha vida não tem aquela adrenalina que tinha, mas também, pelo menos, não ando metido em confusões. Não me magoo, nem magoo ninguém.

Apostei que ia esperar pela paixão, pelo encantamento e pelo amor. Tudo junto ou uma destas coisas de cada vez, mas não está fácil. Quem me conhece, talvez ache que não seria difícil. Não sou feio (à quem diga que até sou jeitosito), estou livre, tenho um trabalho relativamente seguro e não tenho filhos, e por isso nem sequer tenho ex-mulher “à perna”. Mas o facto é que não acontece. Nada acontece. 

O meu trabalho não ajuda muito. Não me socializa muito. Estou todo o dia enfiado numa pequena aldeia onde só moram velhotes (as aldeias do interior de Portugal, definham aos poucos) e quando volto à cidade vou cansado e só quero tomar banho e sossegar. Mas mesmo que quisesse sair, não teria com quem. Isto é, até tinha, mas era com moças e com moças não é fácil conhecer outras moças. Depois, em terras pequenas se somos vistos com uma pessoa, é porque há caso e se há caso, o pessoal afasta-se. Não tenho amigos homens, ou pelo menos daqueles a quem se telefona para sair, ou que sabemos sempre onde estão e dá para ir ter com eles.

Enfim, coisa complicada, não? Vou tentando adaptar-me.  

quinta-feira, junho 25, 2015

Promessa de bloguer I

Só para dizer que esta promessa ainda está de pé. Hoje não posso, mas assim que puder venho aqui fazer um balanço. 

sexta-feira, junho 19, 2015

Coincidências

Há uns tempos, tive a visita de uma moça em minha casa. A certa altura, nem sei bem porquê (sei mas não digo), dei conta de que o interior dos seus sapatos tinham o mesmo padrão das minhas cortinas do quarto. Curioso, não é?

terça-feira, junho 02, 2015

And I'll find her, 'cause it's about time



Walking down to the water's edge
Where I have been before
If I don't find my love sometime
I'm walking out that door
Some may come and some may go
But no-one seems to be
The person I've been searching for
The one whose meant for me

Biding my time, trying to find a heart that's lonely
Looking for her, my love my one and only
Maybe I'll dream, tonight about the girl who'll be coming my way
So I'll take this chance and celebrate the day

When I'm making my way through an open door
I've got some love and so much more
And I'm ready to make someone mine
Making my way through an open door
I've got some love and so much more
And I'll find her, 'cause it's about time

You try too hard and it feels just like
You're running on thin air
Why does luck happen by suprise
If you don't really care
The past is gone the flames are out
From fires that have burned
New ideals and different thoughts
From lessons I have learned

Biding my time, trying to find a heart that's lonely
Looking for her, my love my one and only
Maybe I'll dream, tonight about the girl who'll be coming my way
So I'll take this chance and celebrate the day

When I'm making my way through an open door
I've got some love and so much more
And I'm ready to make someone mine
Making my way through an open door
I've got some love and so much more
And I'll find her, 'cause it's about time

Got the feeling this could take a pretty long while
To find that smile
Put my faith in another piece of good advice
Well I tried that twice
Waiting for, a little something more
To inspire, take me higher

And I'm ready to make someone mine
Making my way through an open door
I've got some love and so much more
And I'll find her, 'cause it's about time

It's about time...
It's about time...
It's about time...

segunda-feira, maio 04, 2015

Desabafo

"(...) Não,... eu reajo assim pela frustração de ter percebido que o carinho que tenho por ti, mesmo junto com o amor que tens por mim, não é suficiente para me fazer feliz e por consequência fazer te feliz a ti. Não é uma atitude propositada. É uma reacção fruto de um sentimento que não fui capaz de disfarçar...
(...)
Sinto-me o homem mais estúpido do mundo. Tirei-te do teu canto, onde estavas a começar a aprender a viver sem mim... Desculpa..."

Vitima de um sentimento de solidão, que passou por mim durante umas semanas, uma solidão rodeada de gente estranha, longe de tudo aquilo que sou e longe de tudo aquilo que quero para  a minha vida, decidi refugiar-me nos braços de uma relação antiga. Esquecido de tudo o que me tinha afastado dela e esquecido até do alívio e da sensação de liberdade que experimentei depois do afastamento, cometi uma erro tremendo. Fui egoísta e acabei sendo cruel. Não estou nada orgulhoso de mim. Enfim... Precisava desabafar.


quarta-feira, abril 22, 2015

]...[

Por mais que tentemos, quando o coração não quer, a razão vale de muito pouco.