terça-feira, junho 29, 2010

Paraguai

Simpatizo muito com o Paraguai. Vá lá perceber-se porquê. :)

segunda-feira, junho 28, 2010

Simplesmente irresistível

Sandálias de corda ou cortiça de salto alto, um vestido de alças leve, muito leve, daqueles que fica pendurado num rabo empinado. Não precisa de ser curto mas também não é para ir até aos pés. Também não resisto, e aqui até deve ser mais difícil de entender, a umas calças de ganga justinhas daquelas que acabam logo a seguir ao joelho, aqui também do alto das sandálias de trás. Simples, não é?
Mas que calor... :)

quinta-feira, junho 24, 2010

(Entretanto) Mais uma volta

Fui (sou) fã incondicional dos Toranja. Desde o início. De tal forma era fã desde o seu início que, a primeira vez que os vi ao vivo, foi numa festa de finalistas do liceu de Penamacor. Uma garagem grande ou uma pequena sala (nem sei bem), meia vazia de uns 50 teenagers, 40 dos quais, totalmente alheados do que se estava a passar em palco. Eu desliguei, do local, dos teens e curti imenso o concerto “esforçado” dos Toranja. Ainda só tinham um disco e eu conhecia todas as músicas. Vi-os mais tarde ao vivo, desta vez num palco a sério num bom espectáculo em Castelo Branco.

Sempre achei que este grupo tinha um grande futuro e rapidamente percebi que a alma do mesmo era o vocalista e compositor de todas as músicas, o Tiago Bettencourt. Quando saiu o 2º CD comprei-o no próprio dia numa das FNAC de Lisboa, onde estava por acaso em trabalho. Foi uma pequena desilusão, mesmo assim, seguia a onda do primeiro. Era coerente embora em minha opinião com menos qualidade.

Nunca percebi se os Toranja acabaram, mas não gostei das experiências iniciais do Tiago com os Mantha. Continuei à espera de um CD mais maduro dos Toranja. Até hoje…
Entretanto apareceu esta música que publico aqui. Mais uma vez o Tiago e os Mantha. Eu já estava com o “pé atrás” e por isso, depois de ouvir um início de música repetitivo e monótono, acabei nunca a ouvindo a música até ao fim. Por não gostar, por birra, por achar que o Tiago era dos Toranja e esses gajos dos Mantha só atrapalhavam. Até que um dia, (ontem ou antes de ontem) ouvi por acaso a música até ao fim e fiquei espantado. A música era boa. Mesmo muito boa! Estava a perder uma grande música ao estilo Toranja. Gostei de tal forma que já nem embirro assim tanto com o início. :)

Assim, como se fosse preciso, mais uma vez aprendo a ver as coisas de mente limpa, olhos bem abertos e, neste caso, ouvidos destapados de preconceitos.

Agora ouçam (até ao fim):

Irresistível

Este não é um tema muito comum. Ou melhor, até é, mas não do ponto de vista que vou abordar. A parte comum é ser um post sobre mulheres, a parte menos comum é o facto de descrever as roupas que gosto de ver nelas. Isto é, a roupa que para mim as torna absolutamente irresistíveis. Vamos então a isto:

Hummmmm. Acho que tenho um problema… Não sei o nome das coisas… Isto dá direito a um minucioso trabalho de investigação… Volto já.

quarta-feira, junho 23, 2010

Que saudades do Brasil....


Acho que estou apaixonado outra vez... :)

segunda-feira, junho 14, 2010

Porque sou fã de futebol e da Shakira...


Um encontro perfeito!
E já agora, FORÇA PORTUGAL!!! :)

Ideia da amiga Andorinha.:)

quarta-feira, junho 09, 2010

O Quebra-correntes

Uma gentileza da amiga dos "Pensamentos amigos", a Carla. Fico muito honrado com a distinção, mas vou cumprir apenas algumas das regras. Não vou escolher nehum blogue a quem entregar este selo. Todos os meus visitantes são merecedores deste selo, por isso, considerem-no vosso. De qualquer forma deixo aqui as regras para todos os meus visitantes que o queiram levar e cumprir. Obrigado!

Tarefas:

Quem recebe o selo Dardos deve:
(1) exibir a imagem do selo em seu blog;
(2) linkar o blog pelo qual recebeu a indicação;
(3) escolher outros 15 (quinze) blogs a quem entregar o prêmio Dardos e
(4) avisar os escolhidos.

Lindo...!

terça-feira, junho 08, 2010

Livros

Os livros são objectos pessoais. Pelo menos para mim são. E um livro pode ter uma outra história, além da que vem contada lá dentro a letra de imprensa. Uma dedicatória, uma recordação da pessoa que nos ofereceu, ou simplesmente do momento em que o decidimos comprar. As pessoas que guardam os livros, também têm uma história. Cada pessoa tem a sua história e todas são diferentes. Nessas diferenças está também a sua relação com os livros. Uns são possessivos, outros nem por isso. Conheço pessoas que nem sequer os emprestam quanto mais dá-los. Outras porém gostam de oferecer, um dos tais livros com as "duas" histórias. Cada um encara o objecto como quer e principalmente como o sente. Não há problema algum nisso.
Eu pessoalmente, quando leio um livro de que gosto, ele fica a fazer parte de mim. Gosto de os guardar, mesmo que não os volte a ler. Mas também gosto de os emprestar. Gosto que os meus livros acumulem mais histórias, vida e até cheiros, mas gosto que no fim voltem.
Gostos.

Encontros fortuitos

"Eu vi, Quando você me viu,  Seus olhos pousaram nos meus, Num arrepio sutil" Cupido Maria Rita Compositor: Claudio Lins ...