quarta-feira, dezembro 30, 2009

Desejos de Ano Novo...



Para quem até já aprendeu a tocar clarinete... Nunca se sabe. :))
Bom Ano Novo e bons sonhos, porque se não for em 2010, em 2000 e qualquer coisa será.

Certezas

Ela, embora insatisfeita, nunca o largou por não ter a certeza de que esse fosse o melhor caminho. Não o largou porque estava acomodada. Não o largou por preguiça. Não o largou por não ter coragem de enfrentar, a ele e ao mundo. Só.

Mas um dia a certeza apareceu. Chegou na forma de outra pessoa, que por também ter tanta certeza, lhe transmitiu a energia e a coragem para agir pelas suas convictas certezas. E assim fez. Porque não estava só.

quarta-feira, dezembro 23, 2009

segunda-feira, dezembro 21, 2009

Filmes

Não perco muito tempo com filmes e séries de televisão. Não porque não goste, mas porque a quinta, me tira quase todo o tempo que tenho para não fazer nada, fazendo tudo e mais alguma coisa. No pouco tempo que me sobra no sofá lá de casa, preencho com futebol e com livros.

No entanto vou vendo os filmes essenciais ou pelo menos aqueles que para mim parecem ser. Isto para dizer, e a propósito do grande último filme de massas, o Avatar, que não entro muito na linha da ficção científica e do fantástico. Muito menos agora que estes filmes são mais desenhos animados que outra coisa qualquer. Mas gostos são gostos e cada um gosta do que gosta. Não discuto gostos.

Para mim um bom filme ou um bom livro têm de retratar a vida, a sociedade, nós próprios. Pouco importa se retratam vidas reais, momentos da História, verdades, ficção ou verdades ficcionadas . Importante para mim, é ser capaz de me identificar com pelo menos uma das personagens. É ser capaz de encontrar pessoas que conheço nas outras, que não se identificam comigo. É ser capaz até, de me apaixonar por elas. Pessoas reais, com vidas reais, às vezes com vidas tão banais como as nossas. Só isso me deixa a pensar. Se um filme ou um livro não me deixar a pensar então significa que não tinha conteúdo, que não tinha vida própria.

E no meio de tanto filme bom…



sexta-feira, dezembro 18, 2009

E agora?

No fundo o que ela sentia, um sentimento bem real, era que toda gente conhecia e convivia com a pessoa com quem se tinha casado menos ela. Para ela, ele tinha-se perdido. Esfumado na rotina do casamento.

É, foi no casamento que ela o começou a perder. Estranho, não é?

Estranho ouvir nos relatos dos outros, a descrição da pessoa que ela conheceu anos atrás. Mas porque é que só ela já não o tem? Talvez porque ela não o soube agarrar e manter, talvez porque ele a tomou como garantida para o resto da vida, como prometeram na Igreja. Quem sabe?

Um dos problemas, o trabalho, porque mais ninguém o garante. Só ele, com o seu esforço, o seu tempo e o tempo dela, a sua ausência e a ausência nela. No trabalho é preciso investir sempre, cada vez mais. O casamento espera... Acha ele...

A brisa...

quarta-feira, dezembro 16, 2009

Enquanto isso...

Eu e a Brisa
Cláudia Telles
Composição: Johnny Alf

Ah, se a juventude que essa brisa canta
Ficasse aqui comigo mais um pouco
Eu poderia esquecer a dor
De ser tão só
Prá ser um sonho

E aí, então, quem sabe alguém chegasse
Buscando um sonho em forma de desejo
Felicidade então prá nós seria

E depois que a tarde nos trouxesse a lua
Se o amor chegasse eu não resistiria
E a madrugada acalentaria a nossa paz

Fica, oh, brisa fica, pois talvez quem sabe
O inesperado faça uma surpresa
E traga alguém que queira te escutar
E junto a mim queira ficar...


Raramente encontramos numa canção um poema feito à nossa medida, mas em muitas, podemos apanhar, aqui e ali, versos que encaixam direitinhos em nós . Esta tem alguns...

segunda-feira, dezembro 07, 2009

[...]

Tenho saudades dos tempos em que tinha sempre coisas para escrever. Em que escrever era mais do que uma necessidade. Um prazer. Uma forma de esclarecer dúvidas, certezas, incertezas,... Sabia-me bem e fazia-me bem. Agora ando um bocado bloqueado, ou então demasiado esclarecido. Quem sabe...

segunda-feira, novembro 30, 2009

Estranho...

... quando descobrimos no facebook, uma namorada de antigamente, com um bebé com o nosso nome.

Acho que vou deixar um comentário. :)

quarta-feira, novembro 25, 2009

Isto não está nada fácil...

Muito trabalho, no emprego, na quinta, em casa...
Volto para a semana.

quarta-feira, novembro 18, 2009

Pois é

Já fui e já voltei. Passei uma semana meia tonta de tantas horas livres durante o dia, quando todos estavam a trabalhar, e entretido no curso, quando todos estavam livres. Mesmo assim valeu pelo curso. Desta vez não posso dizer que tenha valido pelos contactos sociais, porque fui acompanhado e quando se está acompanhado estamos menos disponíveis e também os outros aproximam-se menos. Ainda para mais se estivermos ao lado de uma moça vistosa. Chovem homens, fogem as mulheres. Enfim, uma má opção. :)

Quanto ao curso em si, foi bastante proveitoso. Entre fitossociologias, árvores e plantas invasoras, sementes, associações, sucessões, fogos e regeneração, aprendi que num planeta em constante mudança, não se pode dar uma definição certa de floresta nativa, porque cada Era teve a sua, e esta está em constante mudança e mudaria, quer existíssemos, como fortes influenciadores, quer não existíssemos. Aprendi que a minha floresta nativa, aquela romanceada que apenas conheço dos livros que leio, desde a época romana até à idade média, altura em que começa a sua destruição aqui no “velho” mundo, não passa de uma escala na evolução. E essa floresta, a que nos está mais próxima, e da qual ainda encontramos alguns nichos, como aquela meia dúzia de carvalhos perdidos entre uma invasão de eucaliptos e mimosas, naquela terra de difícil pronúncia, dificilmente poderá voltar a existir em grande escala. Mas aprendi também que podemos fazer parte da mudança, ter uma participação positiva na evolução, tirar partido da floresta sem destruir por completo o planeta. E essa talvez tenha sido a mensagem mais importante do curso. Não se trata de capitalismo a toda a força, doa a quem doer, nem de ecologismo fundamentalista. Apenas sustentabilidade. Respeito por um património único e comum. Comum entre todos nós mas também comum entre as diferentes gerações, as que já passaram e as que virão depois de nós.

segunda-feira, novembro 09, 2009

Até já

Não estranhem a ausência. Vou fazer o meu cursinho anual de descompressão. Volto logo assim que puder. :)


P.S. Agora dava jeito que não chovesse.:)

quarta-feira, novembro 04, 2009

Posições

Numa perspectiva individual (do homem), vale mais uma posição muito boa durante menos tempo ou mais tempo numa posição apenas boa?


A minha posição sobre este assunto é: ????????

sexta-feira, outubro 30, 2009

Redes mais ou menos sociais

Não sei bem o que é o Twitter, mas sei que já me falta tempo para os blogues, mails, conversas no Messenger e no gmail, e claro, para trabalhar, por isso vou evitando sequer aproximar-me.

Tenho Hi5 há já algum tempo. Já deixei e voltei várias vezes, conforme acho que me exponho demais ou que me sinto demasiado fora do Mundo. Também estou inscrito no facebook, mas aí nem fotos tenho. 2 ou 3 amigos apenas.

Estou à espera de chegar a uma conclusão. Ando à procura das vantagens. Pondero a exposição. Não se dá um passo sem que toda a nossa rede fique a saber, e isso a mim… não sei, mas baralha-me um pouco.

Afinal de contas, lá fora, nem todos sabem que existe outro para além de mim próprio. E se para algumas pessoas até gostava de me mostrar nas duas vertentes, para outras o impacto do encontro das duas poderia ter o efeito de uma bomba. E às vezes é difícil explicar, porque sim, tenho mesmo que explicar, de onde vêm algumas amigas (e a pós-graduação não tinha assim tantas colegas).

Mas claro, não preciso misturar as duas. Posso aceitar amigos apenas da vida real, ou melhor, oficial. Mas é como o anúncio da ZON. Poder podia, mas não era a mesma coisa, acrescento, não tinha tanta piada.

Espero sentado


quinta-feira, outubro 29, 2009

Carregar baterias





A energia de que precisamos está sempre ao nosso alcance. Basta um bocadinho de tempo para a agarrar. Ontem agarrei-a aqui, entre um entardecer e um anoitecer, no meio do campo, sozinho mas sem solidão.

terça-feira, outubro 27, 2009

[...]


Ando de uma maneira que ninguém me pode aturar. E eu até entendo. Já não me lembrava de estar neste turbilhão desde que deixei de fumar. Irritadiço, azedo, chato,...

segunda-feira, outubro 26, 2009

Gosto de ir mudando

E uma das razões porque gosto da hora nova é isto mesmo. Este céu que me leva ao fim da tarde para casa.

quinta-feira, outubro 22, 2009

Agora...

... ando ocupado com isto. Tenho que ganhar. Quem me conhece sabe porquê. :)

terça-feira, outubro 20, 2009

Outro



No ano passado, mais ou menos por esta altura, resolvi gastar uns dias de férias que me restavam para fazer isto. Agora, coincidência ou não, apareceu outro curso, mais ou menos dentro da mesma temática. A novidade é que vou ter de viajar, o que nem parece má ideia.

O ano passado, com o curso, com o convívio ou com a descontracção dos dias fora da rotina, nasceu-me uma alma nova.

Depois disso nasceu também uma amizade que ainda hoje não percebi se trouxe mais coisas boas ou mais coisas más, no entanto, tenho a certeza que não me arrependo dos tempos que passámos juntos, das conversas meio clandestinas que tivemos e de… adiante. Mas uma coisa sei, aprendi um monte de coisas novas sobre mim e sobre os outros. Cresci um bocadinho mais…

A vida não se repete, eu até sei, mas acabo por ir sempre à espera de algo mais do que um simples curso de árvores. Porque a minha curiosidade pelas pessoas é um pouco maior que a curiosidade que mantenho pelas árvores e pelas florestas. Se junto as duas, melhor.

segunda-feira, outubro 19, 2009

sexta-feira, outubro 16, 2009

quinta-feira, outubro 15, 2009

Sei lá...



Sei lá... a vida tem sempre razão
Composição: Toquinho / Vinicius de Moraes


Tem dias que eu fico pensando na vida
E sinceramente não vejo saída.
Como é, por exemplo, que dá pra entender:
A gente mal nasce, começa a morrer.

Depois da chegada vem sempre a partida,
Porque não há nada sem separação.
Sei lá, sei lá, a vida é uma grande ilusão.
Sei lá, sei lá, só sei que ela está com a razão.

A gente nem sabe que males se apronta.
Fazendo de conta, fingindo esquecer
Que nada renasce antes que se acabe,
E o sol que desponta tem que anoitecer.

De nada adianta ficar-se de fora.
A hora do sim é o descuido do não.
Sei lá, sei lá, só sei que é preciso paixão.
Sei lá, sei lá, a vida tem sempre razão.

terça-feira, outubro 13, 2009

[...]

Tenho um sonho. Uma obsessão. Gostava de ser fugaz, breve. Chegar e partir. Em poucos minutos. Num sitio qualquer.

Se ao menos não precisasse de tanto tempo para perder a vergonha, para me sentir à vontade, para me sentir confiante, …

quinta-feira, outubro 01, 2009

Vontades

Há sorrisos doces, tão doces que é uma pena, quase um pecado, não os poder beijar. Todos.

Há tantas vidas, todas tão diferentes, que é uma pena, quase um desperdício, não as poder partilhar. Todas.

Há um Mundo que, mesmo não saindo de nós próprios, pode ser vivido de mil formas, por isso é uma pena, quase um crime, não poder viver pelo menos 10 diferentes.

Enfim…

quarta-feira, setembro 30, 2009

We are all miracles, we are wonderful



The person that you were has died
You’ve lost the sparkle in your eyes
You fell for life - into its traps
Now you wanna bridge the gaps
Now you wanna bridge the gaps
Now you want that person back

And all your ammunition’s gone
Run out of fuel to carry on
You don’t know what you wanna do
Cause what you want does not want you
If what you want does not want you
And you’ve got no pull to pull you through

Say “I am”
Say “I am”
Say “I am wonderful"

Say “I am”
Say “I am”
Say “I am wonderful"

If what you’ve lost cannot be found
And the weight of the world weighs you down
No longer with the will to fly
You stop to let it pass you by
Don’t stop to let it pass you by
You’ve gotta look yourself in the eye

Say “I am”
Say “I am”
Say “I am wonderful”
Oh you are

Say “I am”
Say “I am”
Say “I am wonderful”

Cause we are all miracles
wrapped up in chemicals
We are incredible
Don’t take it for granted, no
We are all miracles
Oh we are

Say “I am”
Say “I am”
Say “I am wonderful”
Oh you are

Don’t take it for granted, no
We are all miracles
wrapped up, yeah we’re wrapped up
Oh we are wonderful

Say it!!!

segunda-feira, setembro 28, 2009

Dias bons e dias maus, como todos. Coisas boas e coisas más, como todos.



Estava um dia de calor, assim como hoje está. Talvez não tanto abafado, mas estava. Era Sábado e eu estava nervoso. Muito nervoso. Comigo e com o nervoso da minha Mãe. Cheguei a sentir uma tontura enquanto esperava sozinho no altar, ao mesmo tempo que na capela, todos os olhares pousavam sobre mim. Mas não esperei assim tanto e depois,… depois tudo correu bem. Guardo esse dia na memória, como um dos mais felizes da minha vida. E o primeiro em que percebi que a minha vida tinha mudado.

quarta-feira, setembro 23, 2009

Politiquices

A Joana Amaral Dias é a prova viva de que eu não me apaixono só por cantoras e actrizes. Mesmo tão distante das minhas convicções políticas, não sou capaz de deixar escapar um suspiro quando a vejo falar. E que bem que fala. :)
(para quem não a conhece, não estou a ser irónico, fala mesmo bem.)

Só porque há coisas que não me saem da cabeça. Memórias.

Já não é a primeira vez que aqui falo no mistério que é para mim a linha que separa a fidelidade da infidelidade. Não na minha perspectiva, que essa eu conheço bem. E posso dizer que não a sinto como uma coisa estática ou constante. Depende de muitos factores, como é óbvio, mas não me deixo perder nela. Sei sempre de que lado estou e porque estou.

O mistério está na grossura ou na força dessa linha nas mulheres. Quando comecei este blogue achava que, para a grande maioria das mulheres, esta era quase intransponível. Ponto final.

Mas entretanto cresci, li, escrevi e abri um pouco mais os olhos. Hoje sei um pouquito mais. E é por saber isso que me lembrei de um caso, que nunca o foi, mas… agora que olho para trás acho que bem poderia ter sido.

Um dia estava eu a fazer um trabalho da pós-graduação com esta moça, quando em cima do prazo limite de entrega, foi necessário ir à escola tirar umas dúvidas antes de o imprimir em minha casa. Na viagem que fizemos até à cidade, fomos conversando. Conversa puxa conversa e sabendo eu que ela tinha namorado e tendo ouvido já umas entusiasmadas tagarelices sobre casamentos e vestidos de noiva, perguntei-lhe se tencionava casar em breve. Não se mostrou nada entusiasmada com o casamento e nem muito com o próprio namorado. Rapidamente desviou o assunto. Estranhei, mas passou. Não me preocupei muito com o assunto.

Lá fomos à escola, tirámos as dúvidas e fomos até minha casa a meio de uma tarde, a uma hora em que, como é habitual, não estava por lá ninguém. Só para imprimir o trabalho. Foi o que fizémos. Compenetrado na minha linha, imaginando a dela enorme e intransponível não liguei à ocasião que ali se poderia proporcionar.

Agora, a esta distância, quando olho para trás, analiso tudo a frio e pergunto: não estaria a moça à espera de algo mais?

segunda-feira, setembro 21, 2009

Sexta à noite


Saí de casa cinco minutos antes. Fui a pé e cheguei ao Cine-teatro com a pontualidade muito pouco portuguesa. Dez minutos antes da hora. Não comprei bilhete, a entrada era gratuita. Sempre há vantagens em viver no interior. Esperei, mas já estou habituado. Esperei, mas tinha quase a certeza que valia a pena. Jazz, Bossa Nova, Tom Jobim, Chico Buarque, “A casa do Óscar” (Oscar Niemeyer) e uma menina bonita. Sensual mesmo. Pena uma sala tão grande para tão pouca gente. Pena que a sala não chegasse a aquecer. Mas eu vi, eu ouvi, eu senti. Para mim a sala esteve cheia. Magia pura.

sexta-feira, setembro 18, 2009

Já agora

Ando um bocado desconfiado.
Andará, eventualmente, por aqui alguém que me conheça?
É que estou-me a sentir observado e isso limita o espírito deste blogue. :)
Sim?

Trabalho, trabalho,...

...trabalho, trabalho,...

E algumas coisas que ficam por escrever.

Bom fim-de-semana. :)

terça-feira, setembro 15, 2009

A vida tem momentos assim…

A semana passada, foi daquelas em que, sem chegar a perceber muito bem porquê, pus tudo em causa. O trabalho, o casamento, a família, os amigos, enfim… para esquecer.

Já tinha para onde mandar o currículo actualizado, fiz contas à vida noutra cidade, ainda sem perceber se solteiro ou casado e imaginei-me noutra vida. Programei-a. Esta, a daqui, tinha esgotado o “sumo”. Tinha chegado ao fim da linha e só um recomeço podia reverter a situação.

Caminhei nesta espiral durante toda a semana e cheguei fundo. Mil e uma coisas para fazer e não tinha força para nenhuma. Totalmente letárgico para tudo que era a minha vida, a minha realidade. Senti-me só. Em casa, na cidade, parecia que era indiferente a tudo e todos.

Felizmente, que sendo a vida um encadeamento de tristezas entrecortadas por momentos felizes*, tudo se desvaneceu. A vida entrou nos carris, tratei de meia dúzia de coisas, falei com pessoas sobre assuntos banais, comprei flores para a minha mulher que fazia anos, passeámos na cidade e quando me apercebi, estava de volta a mim.

Mas há uma sementinha aqui dentro. Eu sei que há. E sei que essa semente, um dia pode fazer das suas. Espero apenas manter-me equilibrado e ter a certeza das minhas atitudes.

*
Tristeza não tem fim
Felicidade sim

A felicidade é como a pluma
Que o vento vai levando pelo ar
Voa tão leve
Mas tem a vida breve
Precisa que haja vento sem parar
(Vinicius de Moraes)

terça-feira, setembro 08, 2009

É Isso Aí



Obrigado!!!

Férias


Fui e voltei.
Não digo que não gostei, porque acho que tenho muita sorte em poder viajar e conhecer pedacitos do nosso Mundo. Só por isso me sinto privilegiado, só por isso qualquer viagem é boa e só por isso acho sempre que valeu (vale) a pena.

No entanto digo, se noutros destinos fiz amigos em pouco tempo, neste não fui capaz sequer de “conhecer” alguém, se noutros me senti capaz de lá ficar para sempre, neste soube sempre que estava só de passagem. Se noutros penso constantemente em voltar, nalguns momentos em que me sinto mais em baixo, tenho até vontade de me mudar para lá definitivamente, neste sinto que não seria capaz de igualar a força, a determinação e a coragem dos que lá vivem.

Além disso, tenho um Mundo imenso para conhecer e para deserto, chega este quase-deserto onde trabalho.


P.S. Mais fotos disponíveis no "msn". :)

sexta-feira, setembro 04, 2009

Você foi...

Outra Vez
Composição: Isolda

Você foi, o maior dos meus casos
De todos os abraços
O que eu nunca esqueci
Você foi, dos amores que eu tive
O mais complicado e o mais simples pra mim
Você foi o melhor dos meus erros
A mais estranha história
Que alguém já escreveu
E é por essas e outras
Que a minha saudade faz lembrar
De tudo outra vez....

Você foi,a mentira sincera
Brincadeira mais séria que me aconteceu
Você foi, o caso mais antigo
O amor mais amigo que me apareceu
Das lembranças que eu trago na vida
Você é a saudade que eu gosto de ter
Só assim sinto você bem perto de mim
Outra vez

Esqueci de tentar te esquecer
Resolvi te querer por querer
Decidi te lembrar quantas vezes eu tenha vontade
Sem nada perder

Você foi, toda a felicidade
Você foi a maldade que só me fez bem
Você foi, o melhor dos meus planos
E o maior dos enganos que eu pude fazer
Das lembranças que eu trago na vida
Você é a saudade que eu gosto de ter
Só assim sinto você bem perto de mim
Outra vez

terça-feira, setembro 01, 2009

terça-feira, agosto 18, 2009

quarta-feira, agosto 12, 2009

Férias



Vou de férias.

Vou para um sítio quente.

Muito quente e terrivelmente seco.

Um sítio onde as minhas caipirinhas são uns deprimentes chás de menta, onde a sensualidade da mulher nativa, se existe, está de baixo de longos véus. Onde a paisagem corre as cores do vermelho forte do sol nascente ao amarelo das areias do deserto, passando pelos castanhos escuros e claros da terra seca, ponteados por pequenas bolas verdes acinzentadas das oliveiras. Não há o verde da clorofila estonteante de outras paragens. Só poeira seca. Muito fininha.

Vou de férias para um sítio onde se come, diz-se, uma maravilhosa carne de borrego. Só não entendo se a carne é assim tão boa porque raios a temperam com tantas especiarias e condimentos, que fazem a melhor carne de vaca ter sabor igual à carne de ouriço-cacheiro. Vou para um sítio onde as melancias são fartas e doces como nunca se viu. Mais ou menos como as daqui. Vou para um sítio de música deprimente, tocada com instrumentos estranhos e sons monótonos. Vou para um sítio onde nunca chove, onde sol queima a pele de tal forma que ninguém se atreve a mostrá-la.

Vou de férias e estas são as minhas expectativas.

Pode ser que na volta leia isto e perceba que estava redondamente enganado.

Pode ser...

sexta-feira, agosto 07, 2009

São duas semanas e já vou a meio

Tenho tudo para mim. Sou dono do meu mundo e gosto de me sentir assim.

Um dia

Ela partiu e ele nunca chegou a ver o desenho nela. Por isso gostou de se sentir assim, levado no corpo dela. Haverá um dia em que a vai poder ver, em que a vai poder tocar… Um dia…

Marcas

Já tinha feito um piercing no umbigo. Nessa altura levou consigo um moço porque o queria marcado no corpo e porque precisava de uma mão amiga por perto. E o moço, vidrado em inocência ou se calhar apanhado por um rasgo de coragem e atrevimento, impulsionado pela surpresa, foi.

Mas porque a coisa tinha que ser mesmo marcadamente pessoal, fê-lo prometer que quando pudesse, colocaria um piercing escolhido por ele.

No dia marcado, à hora combinada, encontraram-se no estúdio, mas ela tinha mais uma surpresa. Não iam ficar pela escolha de um simples acessório removível. Ela queria que ele escolhesse um desenho para tatuar o corpo. Definitivo. Deixou-o escolher o desenho, mas não o pedaço do corpo dela. O pedaço que sabia que ele queria. Ele escolheu então um desenho que gostou, que era mesmo a sua cara e que ela também gostou.

Num formigueiro de uma hora o desenho estava na pele. Ficou a memória escrita no corpo. No corpo de uma mulher. Há um homem tatuado num sítio escondido de uma mulher.

quarta-feira, agosto 05, 2009

Está mesmo muito calor por aqui…

Hoje apetecia-me mesmo…

Vá-se lá entender os gostos e os desejos dos homens em relação a mulheres. Em determinados momentos, até eu me espanto com os meus gostos ("apetites").

Está mesmo muito calor por aqui…

sábado, agosto 01, 2009

[...]

A vida corre...
Ela nunca disse o que queria. Ele nunca perguntou.
Ele nunca disse o que queria e ela também nunca perguntou.
Talvez não tenham sido feitos um para o outro...

quinta-feira, julho 30, 2009

Da teoria à prática

Tive a felicidade de ir a uma festa de Bodas de Ouro de uns Primos, naturalmente já velhotes, mas muito animados e bem dispostos. Numa altura em que o Primo, vestido com o mesmo fraque do dia do casamento (como se fazer 50 anos de casado não fosse, só por si, obra suficiente:)), resolveu dedicar algumas palavras à mulher, filhos, netos e restante família. Num discurso leve e bem disposto, meio a sério meio a brincar, disse a dada altura uma frase que eu entendi perfeitamente e que me coube que nem uma luva.

A propósito da sua faceta de “motard”, paixão que ainda hoje alimenta, frequentando algumas das mais importantes concentrações da região, falava do seu passeio mais marcante. Uma viagem de uma semana ao Luxemburgo. Agradecendo à família o facto de permitirem que se ausentasse por prazer próprio, referiu então a teoria que me marcou. Disse que a mulher, sempre lhe deu a liberdade, que ele tanto prezava, acrescentando que se a ela teve direito, foi porque também ele fez por a conquistar e merecer, nunca dando azo a qualquer tipo de abuso ou desconfiança.

Nós os homens, que assumimos compromissos sérios, teremos dentro e fora da nossa união a liberdade que quisermos ter, se soubermos merecê-la, pela forma como encararmos aquilo que é ou deve ser uma relação a dois. Confiança, respeito, amizade partilha e transparência.

Esta é a teoria…

segunda-feira, julho 27, 2009

Flashes


Tudo aqui filmado. Estes rapazes, que até são bons (dão uns toques de New Order, grupo que gosto muito) não esquecem as origens e na hora de filmar um vídeo, escolheram a cidade deles, que é minha também. A cidade onde vivo, não onde nasci. Essa, é ainda mais bonita. Mas esta, a do vídeo, é muito acolhedora e sinto-me bem por cá. Reconheço os lugares e sinto paz e segurança nos flashes.:)

segunda-feira, julho 20, 2009

40 anos depois de o homem ter alunado

Eu, que sempre aqui estive na terra, insisto hoje em não ser capaz de chegar do mundo da lá. De abrir bem os olhos e aterrar no meu mundo. Não quero ver nada nem ninguém, não quero fazer nada, não quero ouvir nada... Dias...

quinta-feira, julho 16, 2009

Já é oficial, este ano ninguém me leva ao Brasil!

Primeiro foram as companhias aéreas brasileiras a fechar, depois foi a estúpida gripe, depois os aviões da Air France com defeito, depois o fim dos voos charter para o Brasil por falta de turistas,… Por fim a importância que os meus companheiros de viagem atribuíram a tudo isto…

Eu bem tentei…

Para afastar a desilusão vou enumerar tudo o que me atrai nessa terra. :)

As cores, os cheiros, a humidade, a chuva (um bocadinho todos os dias), o sol depois da chuva, o calor húmido, a noite às 6 da tarde (dá para descansar um pouquinho antes da noite a sério, ou dá para fazer qualquer outra coisa), o jet-lag que nos faz acordar às 6 da manhã bem dispostos e com o sol alto, a comida e os sabores exóticos, as indígenas, e também os indígenas, porque não?, a simpatia, a simplicidade, a música, os sons e os ritmos, a caipirinha da manhã na praia, os almoços à beira-mar,... e tudo o mais que agora não me lembro, porque senão este post fica eternamente em rascunho.
Até para o ano, espero eu.

sexta-feira, julho 10, 2009

Eu continuo por aqui...

...continuo a ter os mesmos pensamentos parvos, talvez um pouco menos inocentes, mas não sei o que fiz da minha vida, que não me sobra tempo para os escrever, da forma como eu gosto.

por isso, enquanto não me renovo e me encontro, deixo aqui mais umas fotos minhas, não de mim, mas minhas e do meu local de trabalho, não do local onde vivo. :)





quarta-feira, julho 08, 2009

segunda-feira, julho 06, 2009

É oficial, sou mesmo um grande parvo!

No sábado, andava eu sossegadinho nos meus trabalhos na quinta, como sempre totalmente sozinho, que a minha mulher odeia bichos e campo, desde que não seja na National Geographic Channel, quando ouço o típico toque de um sms. Alguém me dizia: "já que vivemos tão perto, poderíamos conhecer-nos melhor!".

Caiu que nem “ginjas”. A primeira coisa que pensei foi no blogue. Se a Andorinha reconheceu as fotos, mais alguém podia ter reconhecido, não era?

Pois.

Mas foi já depois de ter respondido que me lembrei que não há ninguém que leia este blogue e saiba o meu número de telemóvel, por isso não era por aqui, mas mesmo assim continuei curioso. Estava tão entusiasmado com o mistério, que nem o facto do número de origem ser um 4646, me levantou grandes suspeitas. Apenas me recusei a identificar, por não saber com quem estava a falar. De lá admitiram que tinha sido um engano, mas que de qualquer forma, o interesse em me conhecer se mantinha. O meu também. PARVO!

Continuavam a chegar sms’s, sempre insistindo no meu nome, e eu um pouco menos PARVO, insistia em, pelo menos saber quem estava do lado de lá. Apaguei tudo da memória do telemóvel, mas devo ter enviado uns 4 sms’s à tarde e outros 2 à noite. Foi só antes de me deitar que eu PARVO, me deixei de parvoíces e fui à net procurar “sms 4646”. Encontrei logo a resposta para tudo aquilo. Que grande PARVO! Caí numa burla. Enviam sms´s ao acaso, até encontrarem um PARVO, que como eu, dificilmente não responde. Encontrei na net textos iguais aos que eu tinha recebido. PARVO! Acontece que quando se responde, responde-se para o número 4646 e esse número é de valor acrescentado. 2 euros, diz-se por aí. PARVO!

quarta-feira, julho 01, 2009

[...]

(Ilha do Fogo, Cabo Verde, 2007)

Porque será que passo tão depressa dos períodos de inquietação e ansiedade para os de um vazio entediante. Porque é tão difícil encontrar e permanecer num meio termo?

Sonhos e finais felizes


Porque acho que existirá sempre um pouquinho de teenager em mim...

terça-feira, junho 30, 2009

Hoje é dia 30 de Junho

... e eu continuo por aqui. Não parece mas estou.

Não tenho nem inspiração, nem vontade, nem motivo. Estou em desacelaração e a precisar de férias com urgência. Já só falta um mês e meio.

quarta-feira, junho 24, 2009

eh, eh!

Que saudades tinha eu de uma verão destes.
Quente, muito quente.
The show must go on! :))

terça-feira, junho 23, 2009

Pois, mas não há bela sem senão...


Mas atenção, aqui no video de cima não estão a contar a história toda. A Dove pode estar a deitar abaixo uma parte da floresta Indonésia por causa dos seus produtos, admito que sim, mas a grande fatia é da responsabilidade dos, enganadoramente chamados, biocombustíveis. Disso tenho eu a certeza.

Aqui está um exemplo

Beleza Real

Sou fã da Dove e do conceito deles de "beleza real". No fundo, são as "nossas" mulheres que estão na publicidade e por isso acho que nos chegam mais perto. São as mulheres que encontramos na rua, que temos em casa.

E é também este, o meu tipo de mulher. A mulher que se sente bem no seu corpo, que tem orgulho nele e que até gosta de o exibir um pouquito.

Eu acho que eles apostam no conceito certo. Convidando-nos a libertar dos estereótipos, totalmente impossíveis de alcançar para a maioria dos mortais, incentivam-nos a viver felizes e descontraídos com o que temos. No fundo isso é o mais importante. Já aqui disse um montão de vezes. Para mim, o mais importante numa mulher é a atitude e a sensualidade. Que importa se tem um bocadinho a mais de alguma coisa? São só curvas maiores e mais pronunciadas. Isso não é mau. É até bom. :)

Vá, vão lá ao site, dêem uma voltinha e descontraiam. Serve quase como auto ajuda.

segunda-feira, junho 22, 2009

Eu sei, eu estive lá e é bem verdade...



Toda Menina Baiana
Gilberto Gil

Toda menina baiana tem
Um santo que Deus dá
Toda menina baiana tem
Encantos que Deus dá
Toda menina baiana tem
Um jeito que Deus dá
Toda menina baiana tem
Defeitos também que Deus dá

Que Deus deu, que Deus dá

Que Deus entendeu de dar
A primazia
Pro bem, pro mal
Primeira mão na Bahia
Primeira missa
Primeiro índio abatido também
Que Deus deu

Que Deus entendeu de dar
Toda magia
Pro bem, pro mal
Primeiro chão da Bahia
Primeiro carnaval
Primeiro pelourinho também
Que Deus deu

A, a, a, que Deus deu

quinta-feira, junho 18, 2009

Isto não interessa a ninguém, de qualquer forma...

Andar de botas no campo com 36 graus é fogo. De sapatos "Trekking", é menos fogo, mas tem buracos a mais e as palhinhas e os picos entram por todo o lado e para sair... Hoje vim de sapatinhos de vela, à "betinho" da cidade. Os picos entram com fartura, mas pelo menos saem quase à mesma velocidade que entraram e ando mais fresquinho. Volta e meia estou descalço ou com os pés enfiados dentro dos canais.
Dura a vida de quem trabalha no campo!

Paixões antigas

Adormeci a pensar numa...

... e sonhei com outra.

O subconsciente baralhou-se. Mas até foi bom. Não correu nada mal. :)

segunda-feira, junho 15, 2009

Do it



Pena que tenham nascido em Portugal. De outra forma seriam certamente um grande sucesso internacional. Tenho a certeza.

sexta-feira, junho 12, 2009

A contar os dias...

... 60, 59, 58,...
Como é que estamos de gripe aí pelo Brasil?
De aviões nem falo. :)

segunda-feira, junho 08, 2009

[...]

Que importa se ninguém me compreende. No fundo acho que ninguém entende ninguém.

sexta-feira, junho 05, 2009

Um dia de cada vez

Este blogue fez anos e eu nem dei conta. Por isso paro tudo agora. Vou dar uma vista de olhos pelo que escrevi desde o início, para retomar o meu rumo. Passei estes últimos meses por uma experiência de vida meio sonho, meio pesadelo, meio fantasia, meio realedade e agora acordo. Não acordo porque quero mas acordo porque mesmo os sonhos não resistem à física da distância, principalmente se o sonho é essencialmente físico. Hoje sei que sou uma pessoa diferente. Cresci mais um bocadinho, aprendi outro tanto e a vida tem menos segredos. Tem mais verdades umas boas, outras que assustam, mas é inevitável. Quem vai à procura de respostas, quem anseia por saber, por crescer nem sempre encontra mais felicidade, mais paz. Apenas realidades.

Mas sinto-me agora mais aliviado, pronto para retomar a vida que trazia em suspenso. Quem sabe, agora que vem o verão, eu possa pegar no que aprendi e jogar o que aprendi a meu favor. Quem sabe eu me liberte e fale. Quem sabe eu me torne uma pessoa melhor. E se não me tornar melhor, como sou já não é mau. Um dia de cada vez.

terça-feira, junho 02, 2009

Quem sabe...?

Por falar em vizinha, posso-vos contar, feliz, que os olás que vamos trocando a miudamente estão cada vez mais… como hei-de dizer… cada vez mais simpáticos, cada vez mais descontraídos, cada vez mais íntimos, cada vez mais a precisar de um pouquito mais que um olá. Até porque nem o nome dela sei e provavelmente ela também não sabe o meu, acho que deve estar na altura de avançar um passito mais. Quem sabe...?

segunda-feira, junho 01, 2009

Who are you?



Who Are U?
David Fonseca
Composição: David Fonseca

Ever since I saw you
I want to hold you
Like you were the one

It sees right through me
A bullet it comes and takes me
And I love you I love you
I want you but I fear you

Who are u?
Who are u?

Ever since I saw you
I want to hold you
Like you were the one

Your feet rest on my shoes
I sing this song for you
Just to see you smile

And I love you I love you
I love you but I fear you

Who are u?
Who are u?

For how long
How strong do I still have to be?
How come you mean so much to me?

For how long
How strong do I still have to be?
How come you mean so much to me?

And I love you I love you
I want you but I fear you

Who are u?
who are you?(x4)

For how long
How strong do I still have to be?
How come you mean so much to me?

For how long
How strong do I still have to be?


terça-feira, maio 26, 2009

Hoje é o Dia Europeu dos Vizinhos

Será que ficava bem oferecer umas flores à minha vizinha?

segunda-feira, maio 25, 2009

Os 5 Elementos


Para mim, Terra, Água e Madeira.
Desde sempre, cada vez mais nitidamente.

São os elementos desta roda com que mais me identifico, com os quais sinto necessidade de toque, de os sentir. O cheiro e a textura da terra e da madeira e a frescura, a leveza e envolvência da água. Felizmente estou perto de todos. A Terra e a Água, profissionalmente, a primeira por opção e a segunda por um feliz acaso e a Madeira por hobby. Adoro trabalhar madeira, polir, sentir os seus cheiros e ver os padrões que vai ganhando à medida que é trabalhada. Gosto dos cheiros dos óleos e ceras que as tratam e claro, já sabem, sou apaixonado por árvores.

Para quem quiser saber mais sobre a teoria dos 5 elementos é só clicar aqui

domingo, maio 24, 2009

[...]

Passou a época dos moramgos e aqui por casa nem se viram. Está a passar a época das cerejas mas é como se fosse Dezembro, só há maçãs. Maçãs cinzentas. Iguais todo ano.

sexta-feira, maio 22, 2009

Estou a assar...

...em lume brando, mas estou bem.:))

Bom fim-de-semana.

segunda-feira, maio 18, 2009

E eu então, que sou regador no Fim do Mundo...

... o que direi, não?



Boa semana para todos, se possível melhor que a desse moço. :)

quarta-feira, maio 13, 2009

E se...

... de repente me pedissem para ser Pai de aluguer?

Se depois de semanas de rodeio sem sucesso, me dissessem directamente que andavam à procura dos meus genes?

E se eu não achasse a proposta assim tão descabida?
E se eu me emocionasse com a ideia?
Se sentisse um arrepio na espinha…

Naaan… Confusão de mais…

Esqueçam.

Eu estou por aqui...

... caladinho, atacado por uma gripe, que espero, não seja a da "porca", mas estou. :)

segunda-feira, maio 04, 2009

Galiza II


Galiza

Se aqui estivessem estado, no sábado de manhã (Praia de Coira em Portosin, Galiza), talvez me tivessem apanhado a dar uns mergulhos nesta água totalmente irresistível. Tão irresistível que, para espanto dos meus companheiros de passeio e das poucas pessoas que estavam na praia, fui mesmo em cuecas. :)
Mas o que fazer, quando um homem do Interior vê um mar assim? Assustar-se com a água a 15º? Não... Bora lá!

Eu prometi que voltava

Tocar clarinete é quase como fazer amor. Estranho não é?

Estou a falar apenas na parte da intimidade. Gosto mesmo de tocar, mas gosto especialmente de o fazer sozinho. Eu e o clarinete. O público intimida-me e limita a minha forma de tocar. Qualquer público, mesmo o lá de casa. Falta-me o ar, perco a noção das notas, o olhar fica desfocado e deixo de ver a pauta, enfim…

Por isso nunca faço amor em público… Acho que ia ser um desastre.:)

Boa semana para todos.

quinta-feira, abril 30, 2009

Eu queria ter voltado ontem...

...mas não consegui. Hoje também não.

Mas ando bem.
Só muito trabalho e poucos dias para o fazer. 2ª-Feira foi feriado na terra onde trabalho, na 3ª, na terra onde vivo e amanhã, claro, é feriado em todo o lado. Como sou um bloguer secreto, só blogo no trabalho, mas mal tenho tido tempo para trabalhar, quanto mais para roubar minutos ao patrão.

Volto assim que puder.

domingo, abril 19, 2009

...

"O dia é vago quando eu não a flagro a sorrir para mim"
Djavan
Ladeirinha

sexta-feira, abril 17, 2009

Clarinete, outra vez...



Mesmo antes de começar a aprender a tocar clarinete, já sonhava poder tocar esta música, que é uma daquelas que se costuma dizer, que é da minha vida. Quando comprei o “bicho” tirei umas partituras da net, mas aquilo não batia nada com nada. Devo-me ter enganado e tirado a partitura do contrabaixo.: ) Arrumei aquilo bem arrumadinho e fui tendo as minhas aulinhas, as minhas audições e concertos. Mas o sonho continuou. Um dia vou conseguir tocar esta música. Acompanhar uma orquestra. Um dia…

Ontem, procurava no Youtube umas músicas, de clarinete na mão, quando por acaso me apareceu este vídeo. Comecei a ouvir e não é que e quando apareceu a parte do clarinete (2:45), fui tocando devagarinho e a coisa saiu. Aos tropeções e de ouvido toquei a parte do clarinete, passei pela flauta e não parei mais. Estava a cumprir um sonho e isso deixou-me no céu. Adoro esta música e tocá-la é como entrar dentro dela. Porque para tocar assim de ouvido temos que estar completamente envolvidos e eu estava. Feliz. Tinha que partilhar.

Bom fim-de-semana.

quarta-feira, abril 15, 2009

Pressão

Não sou rápido
Sou lento. Muito lento.
A pressão atormenta-me, bloqueia-me, dá-me um nó no cérebro.
E isso às vezes irrita-me.
Preciso de tempo, preciso de estar descontraído, preciso de estar em mim.
Mas nem sempre há tempo, nem sempre há uma segunda oportunidade. Nem sempre a vida espera.

Foi bonita a festa

A Académica ganhou,...

E eu ganhei uma nova fantasia. :)
Valeu!

quinta-feira, abril 09, 2009

Músicas



Não me peçam para escolher uma, duas ou mesmo três músicas ou músicos preferidos. Também não me peçam para escolher um estilo musical. A música é arte e a arte vive de emoções e as emoções dependem dos estados de alma e os estados de alma são diferentes a cada momento. Para cada momento pode haver uma música totalmente diferente. Tão diferentes como estas duas músicas com que ilustro este post, mas ambas, de inegável qualidade.:)


terça-feira, abril 07, 2009

Um sonho II (estou apaixonado (outra vez))

Não quis estragar o post abaixo com coisas tristes. O post está lindo, por isso o que tenho que escrever, escrevo aqui, um pouco mais acima, para não ofuscar a beleza dela (e do post).

Eu sabia que o Caetano tinha dedicado uma música à Luana Piovani, (eu também era capaz de lhe dedicar uma, ou mesmo duas). “Um Sonho”. Não gosto muito da música. Acho que o Caetano por vezes vai longe demais, mas isso é outra história. Sabia que a música tinha dado confusão, mas nem sabia bem porquê. Agora que a encontrei a Luana aqui, lembrei-me de investigar. A história resume-se nisto.

É pena…
Ela é bonita demais para dizer aquelas coisas…

Um sonho

Luana Piovani

sexta-feira, abril 03, 2009

Tem dias

Fujo das multidões tanto quanto as desejo. Aqui no blogue e na vida.

Nota Oficial do Vaticano

Roubado ao Piolho

A minha laranja

Imaginemos que eu sou como uma laranja, constituído por gomos muito juntinhos dentro de uma casca. Cada um dos gomos representa um estado...