sexta-feira, março 03, 2017

Questão de idade

Há uns anos trabalhei, num curta e intensa actividade voluntária, com uma rapariga bastante mais nova que eu. Ela não sendo a rapariga mais bonita do mundo era, ainda assim, bonita e muito alegre e positiva.

Há época, tanto eu como ela, estávamos envolvidos em relações mais ou menos estáveis.

A diferença de idades e o facto de ambos estarmos envolvidos com outras pessoas foram mantendo sempre a minha cabeça a uma distância segura de qualquer envolvimento de outra natureza. É claro que fui soltando algum charme, como sempre tento fazer na presença de mulheres, mas nunca mais do que num simples jogo de sedução sem objectivo definido. Tipo: Logo vejo o que dá. E se for para dar, logo decido o que fazer. - Mas nunca deu nada. 

A actividade em que estávamos envolvidos acabou e nós deixámos de nos ver com tanta frequência e a intensidade esfumou-se. Uns tempos depois, soube que a rapariga tinha deixado o namorado e arranjado um outro. E de repente deu-se um clique em mim!

Afinal o namorado não era assim tão “namorado” e afinal eu não seria assim tão mais velho. 
Hoje, quatro anos depois, e à “distância” a que estamos um do outro, eu quase me sinto da mesma idade e pergunto,... 

Esqueçam. já passou,... É apenas da "distância". A diferença mantém-se e eu tenho quase a certeza que  se a visse agora, teria exactamente a mesma atitude. Apenas por que me conheço.

2 comentários:

  1. A idade é apenas um número e essa diferença só faz diferença na " nossa " cabeça!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, eu acho que a atitude perante a idade pode compensar alguma diferença física, mas nem sempre é fácil abstrair-mo-nos da nossa idade.

      Eliminar

Encontros fortuitos

"Eu vi, Quando você me viu,  Seus olhos pousaram nos meus, Num arrepio sutil" Cupido Maria Rita Compositor: Claudio Lins ...