segunda-feira, fevereiro 01, 2010

Então cá vai

Parte de uma série de mails que tenho trocado com uma antiga colega que reencontrei no facebook. Pondo o vida em dia.

..." quando acabei a pós-graduação decidi que não estudava mais. Estava desiludido com o que ganhava, em termos de possibilidades de emprego,relativamente a todo o esforço e tempo investidos. Claro que gostei de estudar e de aprender, mas quando se está a estudar, muita coisa fica para trás. E eu gosto de fazer outras coisas. Hoje para além do trabalho, tenho uma pequena quinta, só para andar a cavar e a correr atrás das ovelhas feito maluco, leio tanto quanto o meu sono deixa e como gosto muito de música, convenci-me que era capaz de aprender a tocar um instrumento.

Comecei com a viola. Andei um ano a aprender, mas aquilo tinha muitas cordas e era preciso coordenar muitos dedos ao mesmo tempo. Acabei por desistir. Mas não me dei por vencido nos meios musicais. Pesquisei e achei que o clarinete podia ser uma boa alternativa. É um instrumento com um som fantástico e com uma enorme amplitude de tons (dos agudos aos mais graves). Aplica-se a uma grande variedade de estilos musicais, desde as bandas filarmónicas ao Jazz e embora tenha imensos buracos, só se toca uma nota de cada vez, o que facilita imenso a coordenação entre os meus dedos e este meu cérebro cheio de neurónios queimados, em grande parte devido à intensa vida académica que, como sabes, vivi. Mas fui-me mentalizando que o instrumento seguinte seria a pandeireta ou os ferrinhos. Mas a coisa nem correu assim tão mal. Eu sou persistente e como me apaixonei pelo instrumento, lá fui ficando nas aulas. Hoje toco já algumas coisitas. De pauta e de ouvido. Sou já uma estrela do Youtube. Alguns vídeos ultrapassaram já os 100 visionamentos!!! :-)

Agora mais a sério. É claro que fomos pensando na adopção. Mas não estávamos totalmente seguros em relação ao assunto, e no meio dos tratamentos de fertilidade, as esperanças de uma gravidez eram sempre grandes e a questão da adopção sempre adiada. A minha mulher também nunca se mostrou com muitas certezas e eu acho que numa coisa destas,temos de estar plenamente certos do que queremos e vamos fazer. Enfim... ficámos assim. Neste momento acho que estamos a atravessar, no casamento, uma fase… como hei-de dizer,… talvez menos consistente, não sei, e por isso a ideia agora, não seria muito sensata."...


Mas isso não quer dizer nada e a vida muitas vezes muda de um dia para o outro.

"Let it roll"

2 comentários:

Encontros fortuitos

"Eu vi, Quando você me viu,  Seus olhos pousaram nos meus, Num arrepio sutil" Cupido Maria Rita Compositor: Claudio Lins ...