terça-feira, fevereiro 09, 2010

Entre os pingos de chuva

À minha volta, os pingos de chuva vão caindo, sempre distantes perdidos na sofreguidão da terra árida. Nunca chegam a ser chuva mas vão pingando. O primeiro veio mesmo na minha direcção. Esperei ansioso por ele. Fechei os olhos para o receber, mas no exacto momento em que me tocava, evaporou-se. Agora parecem-me um pouco mais frequentes. Continuam a não ser chuva, apenas pingos e por enquanto caem longe, demasiado distantes. Mas um dia aproximam-se. Cada vez mais perto. E eu, aqui parado, podia até, com um simples passo, evitar molhar-me. Mas não. Estou mesmo à procura de um que me acerte em cheio. Que acerte em cheio na sofreguidão da minha pele.

Sem comentários:

Enviar um comentário

A minha laranja

Imaginemos que eu sou como uma laranja, constituído por gomos muito juntinhos dentro de uma casca. Cada um dos gomos representa um estado...