sexta-feira, fevereiro 05, 2010

[...] Estou em greve títlica

Há coisas mesmo estranhas. Como é possível que o nosso subconsciente guarde coisas assim adormecidas durante tantos anos? Como é possível ter uma “paixãozeca” no início da adolescência, que nunca chegou a dar em nada, que nunca chegou a ser correspondida, pelo menos, tanto quanto sei, embora saiba que, dessas coisas sei sempre muito pouco e depois de vinte e tal anos sem ver ou ouvir falar dessa pessoa, ela aparece, quase vinda do nada e de repente o nosso coração começa a bater depressa e descontrolado. Onde estava essa emoção escondida? Quantas mais lá estarão?

5 comentários:

  1. Não te querendo aguar a emoção...mas muitas vezes o coração bate fruto do pensamento "do que poderia ter sido" ou então, pq não também, do que imaginamos que poderia ter sido durante 20 anos. Cuidado para não te re-apaixonares pelos 20 anos de fantasias. E fala aquela que esteve mais de 7 anos (praticamente) platónicamente (salvo seja, nem tanto, mas quase) apaixonada por uma ideia do que ... poderia ter sido.

    ResponderEliminar
  2. Não, não esqueço. A opinião dos outros tem sempre algum valor, caso contrário bloqueava os comentários.:) Mas neste caso não há perigo. Mesmo que houvesse a distância ia dificultar um bocado as coisas. De qualquer forma é sempre bom encontrar pessoas e amigos, falar um bocado com alguém que nos conhece e que nós conhecemos, soltar uns desabafos, quase como se fossemos totalmente estranhos, enfim...

    ResponderEliminar
  3. Existem muitos sentimentos que ficaram em estado de criogênese {congelados} dentro de nós, e assim como os adeptos a criogenia esperam pelo dia que irão despertar {e viver mais tempo}, assim estão estes sentimentos em nós; a diferença é que de repente alguns realmente despertam, como se já tivessem encontrado um motivo para reviver!!

    Que explicação complicada não?!! rsrs, Abraços.

    ResponderEliminar
  4. É mesmo!!!:))
    Mas a situação também não é facil de entender.

    ResponderEliminar

Who are you?

Ontem, depois de te ver na esplanada ao jantar, todas as minhas certezas "implodiram". A tua feminilidade, a tua beleza, a tua se...