quinta-feira, janeiro 27, 2011

Conquistas

Raras foram as vezes em que conquistei uma miúda, uma moça ou uma mulher a partir do nada. Aliás, tenho que me esforçar bastante para me recordar de alguma dessas situações. Acho que estão naquela parte da memória, em que a realidade se confunde com o mito. Não sei se percebem o quero dizer. Ver, aceitar o desafio, jogar e ganhar.

Tive situações, em adolescente, em que fiquei a meio. Dei dois ou três passos e depois fiz figura de parvo ao não ter coragem de dar o passo final. Todas as minhas namoradas, ou foram elas que me conquistaram ou fomos simplesmente empurrados por amigos e pouco tivemos que fazer. Sou tímido, tenho pavor dos “nãos” e do ridículo. Enfim, tenho pouca auto-confiança e auto-estima.

A longo e médio prazo, tenho a perfeita noção que perdi muitas oportunidades de relacionamentos com mulheres bonitas e vistosas, mas no curto prazo... fica sempre a dúvida. Vivo sempre na dúvida. No “será?”.

Este meu feitio deve ser o melhor seguro de fidelidade para qualquer mulher, se não em pensamentos (mas quem será?), pelo menos em termos físicos. Seguramente. :)

2 comentários:

  1. Aiii, espero q esta semana mais recente, em q parece q tudo o q é mulher reparou em ti, tenha ajudado a aumentar a auto-estima, porque vale sempre a pena arriscar :), ate pq quem n arrisca n petisca :)

    ResponderEliminar

A minha laranja

Imaginemos que eu sou como uma laranja, constituído por gomos muito juntinhos dentro de uma casca. Cada um dos gomos representa um estado...