segunda-feira, março 14, 2011

No Domínio dos Deuses

Num ambiente acolhedor, ameno na temperatura e na meia-luz, mas forte nas cores, a música relaxante parece que a pouco e pouco se vai desvanecendo. O chão é o nosso contacto com a base.

Pronto para a magia pura. Umas mãos que parecem encantadas na forma como moldam o meu corpo. Mãos de um corpo que lentamente percorre o meu, num contacto relaxante, sensual. Muito sensual. Cada vez mais sensual. Não a vejo, mas sinto-a em pleno, por todo o meu corpo. Uma pele macia como nunca tinha sentido em mim, uma respiração profunda e calma, à procura de entrar em sintonia com a minha. Uma respiração que entra em todos os meus sentidos. Cada vez mais envolvente. A cada compasso de algo que não era tempo, sinto mais partes do seu corpo no meu. De cada vez com maior intimidade, de cada vez com maior sensualidade. Já só respiro o seu corpo e estou nas nuvens. Sinto que pela primeira vez alguém entende o meu ritmo e a minha alma. Alma cheia. Corpo leve. Parado no tempo.

O tempo volta com um convite para carregar num botão, que eu não vejo em lugar algum e em que não carrego. Quero ficar naquele instante para sempre.

A magia desvanece-se, fica a realidade mas a alma continua a encher. Alguma coisa parece não nos querer separar (?), porque parecemos íntimos e encantados (?). Ela parece-me feliz e descontraída e faz-me descontrair também feliz. Eu gosto dela. Parece-me verdadeira, mas nos sonhos nunca podemos ter a certeza. Só a certeza de que sonho na perfeição do mundo de uma Deusa.

2 comentários:

  1. nossa!
    envolvente..
    fiquei de cá respirando, suspirando, dentre outras coisas.

    abç

    ResponderEliminar
  2. Faça das palavras da Marcela, as minhas!!

    E sonhemos, sempre!
    Beijos, saudades!

    ResponderEliminar

Encontros fortuitos

"Eu vi, Quando você me viu,  Seus olhos pousaram nos meus, Num arrepio sutil" Cupido Maria Rita Compositor: Claudio Lins ...